Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]




Cleópatra

por John Soares, em 21.04.19

 

Cleópatra é uma das mulheres mais conhecidas da história
da humanidade e uma das governantes mais famosas do Egito,
tendo ficado conhecida somente como Cleópatra.
 
Nunca foi a detentora única do poder em sua terra natal - de fato co-governou sempre com um homem ao seu lado: o seu pai, o seu irmão (com quem casaria mais tarde) e, depois, com o seu filho. Contudo, em todos estes casos, os seus companheiros eram apenas reis titularmente, mantendo ela a autoridade de fato.
Cleópatra nasceu em 69 a.C., na cidade de Alexandria, fundada por Alexandre, o Grande no delta do Nilo e que nos séculos anteriores ao nascimento de Cristo desempenhou o papel de metrópole cultural, artística e econômica do Mediterrâneo Oriental.
 
Embora fosse egípcia por nascimento, pertencia a uma dinastia macedônica que se estabelecera no Egito em 305 a.C., quando o general macedônio Ptolomeu tomou o título de rei. Era filha do rei Ptolomeu XII Auleta e da rainha Cleópatra V. Apesar da origem estrangeira da dinastia à qual pertencia, Cleópatra foi a única da sua dinastia a dominar a língua egípcia.
Cleópatra foi a última Rainha da Dinastia ptolomaica que dominou o Egito após a Grécia ter invadido aquele país. Subiu ao trono egípcio aos 17 anos de idade, após a morte do pai.
Tinha uma grande preocupação com o luxo da corte e com a vaidade. Costumava enfeitar-se com jóias de ouro e pedras preciosas (diamantes, esmeraldas, safiras e rubis), que encomendava de artesãos ou ganhava de pessoas próximas e familiares.
 

A morte de Cleópatra

Muitos textos antigos afirmam que ela tenha sido morta por meio de uma picada de cobra. (resta saber se por uma NAJA, ou uma VÍBORA). A Naja possui um veneno mais letal e sua picada é de difícil identificação. Já a Víbora provoca um inchaço grotesco, e, por esta razão, a morte por meio de uma víbora é descartada por estudiosos.
A morte por meio da picada da naja evitaria a exposição de Cleópatra num triunfo romano, conforme desejo de Otaviano. Cleópatra estava confinada num dos quartos do palácio e, tudo que era levado até ela era inspecionado para evitar seu suicídio. Mas de alguma forma, ela conseguira se matar conduzindo uma de suas mãos a uma "compota" onde uma naja estaria entre os frutos. Quando os soldados romanos de Otaviano entraram no quarto da rainha, ela já jazia morta e vestida com trajes reais. Otaviano nada pode fazer a não ser expor para seu poderio militar um retrato da rainha Cleópatra.
Os dois filhos gêmeos de Cleópatra perderam-se na história. Otaviano matou Cesário, impedindo definitivamente qualquer chance de prosperidade política para o filho da rainha. Alexandria deixou de ser um lugar dedicado ao saber, passando a ser uma mera província romana no Egito. Mas Cleópatra nunca fora esquecida. Ela era a rainha do antigo Egito.
Registros apontam que a combinação de: espiritualidade, determinação e inteligência tornaram Cleópatra à mulher mais famosa do mundo.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:36


Buda

por John Soares, em 21.04.19

 

Filósofo oriental (563-483 a.C.). Abandonou a família e as riquezas do seu palácio
para meditar e criar uma das mais importantes religiões orientais.
 
Entre as grandes religiões do mundo que contam com o maior número de seguidores, duas (o Judaísmo e o Hinduísmo) têm raízes na Antiguidade e, por isso, não possuem um fundador específico. Mas as outras três (Budismo, Cristianismo e Islamismo) têm origens mais recentes e há registros de quem as estabeleceram. O fundador do Budismo chama-se Sidarta Gautama, que nasceu em Lumbini, no norte da índia (hoje Nepal). Ele era filho de um abastado rajá e se casou muito jovem, aos dezesseis anos de idade, com uma prima da mesma idade. Sidarta foi criado num ambiente luxuoso palácio e cercado de conforto material. Mas isso não lhe bastava e ele vivia insatisfeito. Ao seu redor, a maioria das pessoas era pobre e sempre passava necessidade. Mesmo entre os ricos, havia pessoas infelizes. E a morte era certa para todos. Sidarta decidiu, então, criar uma nova filosofia religiosa, que livrasse o espírito, senão o corpo, das aflições mundanas Aos 29 anos de idade, ele teve várias visões e se convenceu de que deveria abandonar o palácio, sua esposa e seu filho recém-nascido, renunciar a todas as propriedades mundanas e sair, com um andarilho, em busca da "verdade". Ele visitou muitos religiosos e passou anos jejuando e meditando com o objetivo de superar todos os desejos do corpo, incluindo a fome, e adquirir o total controle de sua mente. Depois percebeu que isso não adiantava nada e voltou a se alimentar normalmente.
A verdade que Sidarta tanto perseguia lhe apareceu numa noite de maio, por volta de 528 a.C., quando, sentado sob uma árvore, ele recebeu o que os budistas chamam pelo nome de Iluminação. Sidarta compreendeu que os sofrimentos poderiam ser derrotados. Uma das doutrinas básicas do Hinduismo é o ciclo da reencarnação. As almas de todas as coisas vivas que morressem renasceriam em outras coisas vivas. Este ciclo continua para sempre, com a alma evoluindo desde um inseto, passando por um animal, até chegar à forma humana. Se um homem é ruim durante sua vida, ele renasceria como uma forma de vida inferior. Se não, ele renasce como outra pessoa. Este ciclo de reencarnação é infinito, mas Sidarta concluiu que, ao seguir o caminho correto (dharma) da meditação e devoção, a alma poderia chegar ao nirvana, um estado final não diferente do conceito judaico-cristão de Paraíso.
Sidarta adotou o nome de Buda, que significa "o iluminado", e saiu pelo mundo para ensinar sua filosofia. Após sua morte, seus seguidores espalharam a filosofia budista pela Ásia, encontrando na China, no Japão e no sudeste da Ásia um número de adesões muito maior do que na própria Índia. Hoje, há quase 300 milhões de budistas no mundo, 99,5% deles na Ásia.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:29


Benjamim Franklin

por John Soares, em 21.04.19

 

Estadista americano (1706-1790). Seu nome teve
um importante papel no desenvolvimento dos Estados Unidos.
 
O nascimento dos Estados Unidos como nação foi acompanhado por um grupo de notáveis estadistas. Entre eles, está o diplomata, escritor e inventor Benjamim Franklin. Nascido em Boston, Massachusetts, em 17 de janeiro de 1706, Franklin saiu de casa aos dezessete anos de idade e se tornou aprendiz de impressor na Filadélfia. O governador da Pensilvânia, William Keith, prometeu ajudá-lo financeiramente para ele adquirir sua própria tipografia, mas retirou seu apoio enquanto Franklin estava na Inglaterra comprando tipos.
Ele permaneceu na Inglaterra, trabalhando em várias tipografias até que, em 1726, conseguiu juntar dinheiro suficiente para voltar aos Estados Unidos e abrir sua própria tipografia. Seus negócios prosperaram e dois anos depois ele começou a publicar a Pennsylvania Gazette, um dos jornais mais importantes da época. Em 1731, ele fundou o que provavelmente foi a primeira biblioteca pública da América. Em 1732, começou a escrever e publicar o Poor Richard’s Almanac, uma coletânea anual de estórias e pensamentos sobre a vida, o amor, a política e outras atividades humanas. Em 1747, ele começou a fazer experiências sobre a hipótese de que o relâmpago era um fenômeno elétrico, o que propiciou a invenção do pára-raios.
Entre 1736 e 1757, Franklin trabalhou como escriturário e membro da Assembléia Geral da Pensilvânia. Ele viajou para a Inglaterra, onde foi recebido por membros da comunidade literária e científica inglesa que respeitavam seu trabalho. Depois de retornar à Filadélfia em 1762, ele foi novamente eleito para a Assembléia.
Franklin endossou firmemente a idéia de que a Grã-Bretanha deveria relaxar seu controle sobre as colônias americanas e permitir aos colonos um papel maior no governo de seus próprios negócios. Em 1774, ele foi para a Inglaterra apresentar uma petição ao rei Jorge III (1738-1820) em favor dos colonos e do recém-formado Congresso Continental. O rei e a Câmara dos Lordes rejeitaram a petição e quando Franklin retornou à Filadélfia, a Guerra Revolucionária Americana (1775-1783) já havia começado.
Depois de sua eleição para o Segundo Congresso Continental, Franklin organizou o serviço postal, tornando-se seu chefe, e ajudou Thomas Jefferson a escrever a Declaração da Independência, assinada em 4 de julho de 1776. Nesse mesmo ano, Franklin foi escolhido como embaixador americano na França e, enquanto ocupava o cargo, conseguiu convencer o governo francês a apoiar a causa americana com armas e suprimentos.
Depois da guerra, entre 1782 e 1783, Franklin ajudou a negociar o tratado de paz com a Grã-Bretanha. Em seguida, ele deixou a França e retornou para os Estados Unidos, tornando-se membro da Convenção Constitucional em 1787. Benjamim Franklin morreu em 17 de abril de 1790.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:24


Barack Obama

por John Soares, em 21.04.19

 

Barack Obama, primeiro presidente negro dos Estados Unidos, 
eleito em Novembro de 2008.


Barack Hussein Obama Jr. é um político norte-americano, eleito presidente dos Estados Unidos em novembro de 2008, é o primeiro negro a conquistar o comando do país.
Barack Hussein Obama Jr. nasceu em Honolulu, Hawaí, no dia 4 de agosto de 1.961. Filho de Ann Dunham (mulher branca, nascida no estado do Kansas) e de Barack Obama (homem negro, nascido no Kenia),
Quando o pequeno Obama tinha 2 anos, seus pais se divorciam. Seu pai ingressou na Universidade de Harvard e, depois de concluí-la, retorna ao Kenya. Em 1.982, Barack Obama (pai), faleceu em um acidente automobilístico.
Barack Hussein Obama Jr. passou parte da infância no Havaí e na Indonésia, para onde sua mãe se mudou depois de divorciar-se do pai e se casar novamente. Aos dez anos, porém, o menino retornou ao Havaí, onde viveu sob os cuidados dos avós maternos.
Freqüentou o Occidental College de Los Angeles, escola preparatória, que possibilitou seu ingresso na Columbia University em Nova Iorque, onde se formou bacharel em ciências políticas em 1985. Após uma breve estadia em Chicago, ingressou na Escola de Direito de Harvard, terminando seu Doutorado em 1991. Em Harvard, Obama foi presidente da Harvard Law Review (uma espécie de jornal mensal para os acadêmicos). Entrou para a história, pois foi o primeiro negro a tornar-se presidente da Harvard Law Review.
Trabalhando em uma firma de advogados em Chicago, onde conheceu sua esposa, Michelle Robinson. Obama e Michelle casaram-se em 1992 e tiveram duas filhas, Malia, que nasceu em 1999, e Sasha, nascida em 2001.
Sua carreira política teve início em 1997, quando, pelo partido Democrata, tornou-se Senador do estado de Illinois, cargo que ocupou até 2004. Foi eleito para o Congresso dos EUA nesse mesmo ano, principalmente por ser contra a invasão do Iraque.
Nas prévias democratas, concorreu com a ex-primeira dama, e atual senadora Hillary Clinton. Percebendo a ascensão de Obama, Hillary desistiu da vaga a candidata à presidência e declarou apoio a Barack Obama.
Obama apostou na insatisfação da população com a política do atual presidente George W. Bush. Em seus discursos, fica clara sua preocupação com o sistema de saúde, se posiciona a favor do fim da guerra do Iraque e do uso de diplomacia para com o Irã, e é a favor do desarmamento nuclear.
Em novembro, Obama venceu o concorrente e foi eleito o 44o presidente dos Estados Unidos, sendo aclamado como o primeiro negro a governar o país. Mas o próprio Obama deixa claro que essa questão racial é secundária. Em suas palavras: "Não há uma América negra e uma América branca e uma América latina e uma América asiática. Há os Estados Unidos da América".
Para seus simpatizantes, Obama é um político único e estimulante como o presidente John F. Kennedy e não há dúvida de que exibe um carisma semelhante ao de Kennedy. Por outro lado, seus adversários o acusam de ser nada mais que um orador eloqüente, de idéias ingênuas e políticas econômicas que tendem ao socialismo.
Também se fala da inexperiência de Obama, particularmente nas questões internacionais mais tensas, como o papel dos Estados Unidos no Iraque. Para compensar essa situação, foi escolhido como vice-presidente Joe Biden, senador por Delaware, um dos políticos há mais tempo em atividade no Congresso norte-americano, com seis mandatos no Senado.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:18


Alexandre, o Grande

por John Soares, em 21.04.19

R D P.jpg

 

Alexandre III Magno ou Alexandre, o Grande, rei da Macedônia, filho do imperador Fellipe II da Macedônia e  de Olímpia, princesa de Epiro, nasceu entre 20 e 30 de julho de 356 a .C, na região de Pella na Babilônia.
 
Alexandre, conquistador do Império Persa, foi um dos mais importantes militares do mundo antigo.
Na sua infância teve como tutor Aristóteles, que ensinou-lhe retórica e literatura, e estimulou seu interesse pelas ciências, medicina e filosofia.
No verão do ano 336 a.C., seu pai, Felipe II foi assassinado e Alexandre subiu ao trono da Macedônia, dando início à trajetória de um dos maiores conquistadores da História.
Mosaico antigo: Alexandre Magno e seu cavalo Bucéfalo, na Batalha de Isso (333 a.C.). Mosaico encontrado em Pompeia, na Itália, hoje no Museu Arqueológico Nacional, em Nápoles.
Alexandre destacou-se pelo brilhantismo tático e pela rapidez com que atravessava grandes territórios. Ainda que valente e generoso, era cruel quando a situação política assim o exigia. Cometeu alguns atos dos quais se arrependeu, como o assassinato de seu amigo Clito em um momento de embriaguez. Como político e dirigente, teve planos grandiosos. Segundo alguns historiadores, elaborou um projeto de unificar o Oriente e o Ocidente em um império mundial.
Acredita-se que cerca de 30 mil jovens persas foram educados na cultura grega e em táticas militares macedônicas, sendo aceitos no exército de Alexandre. Ele também adotou costumes persas e casou com mulheres orientais: Estatira ou Stateira, filha mais velha de Dario, e com Roxana, filha do sátrapa Bactriana Oxiartes. Além disso, subornou seus oficiais para que aceitassem mulheres persas como esposas.
Alexandre ordenou que após sua morte,  as cidades gregas  lhe adorassem como um deus. Ainda que provavelmente tenha dado a ordem por razões políticas, segundo sua própria opinião e a de alguns contemporâneos, ele se considerava de origem divina.
Para unificar suas conquistas, Alexandre fundou várias cidades ao longo de seus territórios, muitas das quais se chamaram Alexandria em sua homenagem. Essas cidades eram bem situadas, bem pavimentadas e contavam com bom serviço de abastecimento de água. Eram autônomas, mas sujeitas aos editos do rei. Os veteranos gregos de seu exército, bem como os soldados jovens, negociantes, comerciantes e eruditos, se instalaram nelas, levando consigo a cultura e a língua gregas. Assim, Alexandre estendeu amplamente a influência da civilização grega e preparou o caminho para os reinos do período helenístico e para a posterior expansão de Roma.
 

Especulações

Por ter morrido ainda jovem e sem derrotas, muito se especula sobre o que teria acontecido se tivesse vivido mais tempo. Se tivesse conduzido suas forças numa invasão das terras a oeste do Mediterrâneo, provavelmente teria alcançado sucesso, e, nesse caso, toda a história da Europa ocidental poderia ser completamente diferente.
 

Curiosidade

Em 2004, o diretor de cinema Oliver Stone lançou o filme Alexandre, contando a biografia deste grande imperador da antiguidade.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:59


Alexander Graham Bell

por John Soares, em 21.04.19

 
Inventor escocês (1847 - 1922). Criou o telefone,
invenção que mudou a história da humanidade.
 
O inventor do telefone, Alexander Graham Bell, nasceu em Edinburgh, Escócia. Seu pai, Alexander Melville Bell (1819-1905), também inventor, havia criado um sistema de educação para surdos. Em 1873, Bell se tornou professor de fisiologia vocal na Universidade de Boston, onde começou a fazer experimentos com acústica e desenvolveu alguns conceitos para transmitir a fala eletricamente. Essa idéia acabou levando à invenção do telefone. A primeira conversa totalmente compreensível ao telefone ocorreu quando Bell, em uma sala, chamou seu assistente, Thomas Watson, em outra: "Venha cá, Watson, preciso de você". Watson ouviu o chamado por meio de um receptor conectado ao transmissor que Bell projetara.
Embora Elisha Gray (1835-1901) tenha construído o primeiro receptor com um diafragma eletromagnético em 1874, ele não conseguiu chegar ao projeto de um transmissor funcional antes de Bell. Bell trabalhou exaustivamente, experimentando vários tipos de mecanismos, enquanto Gray desanimou e parou no meio do caminho. Incrivelmente, ambos solicitaram a patente de seus projetos no escritório de patentes de Nova York no mesmo dia: em 14 de fevereiro de 1876. Bell venceu Gray por apenas duas horas. Depois, Gray chegou a contestar a patente de Bell, mas a Suprema Corte americana decidiu em favor deste último.
Em 1877, Bell fundou a Companhia Telefônica Bell, que, mais tarde, tornou-se a American Telephone & Telegraph (AT&T), a maior companhia telefônica do mundo. A Telefônica Bell abriu a primeira linha transcontinental, de Nova York a São Francisco, em 1915. Além da invenção do telefone, que deu a Bell muito dinheiro e fama, ele também inventou o fotofone e o audiômetro, além das gravações fonográficas em chapas ou cilindros revestidos com cera. Graham Bell se aposentou, mas continuou ativo como coordenador do Instituto Smithsonian, em Washington.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:50


Adolf Hitler

por John Soares, em 21.04.19

R D P P.jpg

 
Político alemão nascido na Áustria (1889-1945).
Liderou o bloco alemão durante a Segunda Guerra Mundial.
 
Adolf Hitler, considerado por muitos como um dos maiores vilões da história, nasceu em 20 de abril de 1889. Seu pai chamava-se Alois Hitler e era um inspetor de alfândega da cidade de Braunau, Áustria. Como queria se tornar artista, Hitler candidatou-se em 1907 à Academia de Belas Artes de Viena. Mas não teve sorte e em 1908 seu pedido foi recusado. Como ele passava a maior parte de seu tempo livre com ocultistas e extremistas dos dois lados do espectro político, acredita-se que essa convivência tenha influenciado seu desenvolvimento intelectual e reforçado seu ódio pela classe média, principalmente por pessoas de descendência judaica.
Quando a Primeira Guerra Mundial (1914-1918) teve início, Hitler tentou entrar para o exército austríaco, mas foi rejeitado. Em seguida, ele conseguiu se alistar no exército alemão. Inclusive, devido à sua bravura, ele chegou a ganhar a Cruz de Ferro. Mas, depois do fim da guerra, como tantos outros, ele também não conseguiu arrumar emprego. A Alemanha do pós-guerra passava por uma transformação social e o colapso da monarquia e da economia tornaram o terreno fértil para o crescimento de filosofias extremistas, que iam do comunismo ao nacionalismo. Nessa época, Hitler viajou para Munique, onde se tornou um dos primeiros membros do Partido Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães – abreviado como Nazista.
A depressão econômica mundial, iniciada em 1929, tornou possível aos nazistas fazer avanços políticos em meio ao descontente eleitorado alemão. Aos poucos, eles passaram a ser reconhecidos como um legítimo partido político, e Hitler, que era um orador brilhante, começou a se destacar e receber vários apoios. Em 1933, o Partido Nazista era tão poderoso que o presidente Paul von Hindenburg (1847-1934) viu-se forçado a apontar Adolf Hitler como chanceler da Alemanha. Imediatamente ele começou a se valer de sua nova posição para derrubar Hindenburg e assumir o controle ditatorial da Alemanha. Ele decidira também rearmar militarmente a Alemanha e reafirmar seus interesses territoriais na Europa.
Em março de 1938, Hitler anexou a Áustria, tornando-a parte da Alemanha. E um ano depois, em março de 1939, suas tropas tomaram o controle da Tchecoslováquia. Embora Inglaterra e França tenham se oposto abertamente à investida alemã, elas não tomaram nenhuma iniciativa para tentar evitar uma guerra. Em 24 de agosto de 1939, a Alemanha assinou um pacto de não-agressão com a União Soviética. E no dia 1 de setembro, desferiu um ataque em grande escala sobre a Polônia. No dia 3 de setembro, Inglaterra e França declararam que o estado de guerra já se constituíra por dois dias. Era o início da Segunda Guerra Mundial (1939-1945).
Os dois primeiros anos de guerra foram marcados por grandes sucessos militares das forças alemãs. A França caiu em questão de semanas em 1940, e, embora a Inglaterra não tenha chegado a ser invadida, seu poder militar na Europa era totalmente nulo. A dominação total de Hitler na Europa durou de 1941 a 1944, quando os aliados anglo-americanos tomaram bases importantes na França e na Itália e os exércitos soviéticos forçaram os alemães a recuar do leste europeu. No início de 1945, os alemães estavam defendendo desesperadamente seu próprio território e, em 7 de maio, a guerra estava acabada.
O espírito de Hitler entre 1939 e 1942 tinha sido o de um invencível otimismo. Seus planos eram para um Império Germânico, ou Reich, na Europa, que durasse mil anos. Para realizar seu sonho de um Reich racialmente puro, o ditador criou uma rede de crematórios para a execução em massa de judeus, ciganos e outros povos considerados por ele "indesejáveis". Entre 1943 e 1945, Hitler foi se tornando uma pessoa cada vez mais deprimida e irritada. Ele passou também a se envolver com crenças ocultas e acreditar que uma forma de magia negra, combinada com misteriosas armas secretas, poderia salvar a Alemanha da derrota. Em 30 de abril, tudo indica que, ao mesmo tempo em que exércitos soviéticos cercavam Berlim, a capital da Alemanha, Hitler, que havia se escondido numa casamata fortificada nos subterrâneos de um prédio de Berlim, assassinou Eva Braun, sua amante de longa data, com quem havia se casado pouco tempo antes, e depois tirou sua própria vida.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:41


Abraham Lincoln

por John Soares, em 21.04.19

index_clip_image002.jpg

 

Estadista norte-americano (1809-1865). Advogado e anti-escravagista,
tornou-se um dos mais importantes presidentes dos Estados Unidos.

Ao lado de George Washington, Abraham Lincoln é considerado um dos mais importantes presidentes americanos da história. Nascido em uma cabana próximo a Hodgenville, Kentucky, em 12 de fevereiro de 1809, aos dezenove anos idade ele ingressou na tripulação de uma barcaça que transportava produtos agrícolas pelos rios Ohio e Mississípi até Nova Orleans. Em 1830, junto com seu pai, sua madrasta e seus meios-irmãos, Lincoln mudou-se para Decatur, no Illinois, onde trabalhou durante algum tempo cortando toras para cercas. Em 1831, ele deixou sua casa e trabalhou em vários tipos de empregos, como condutor de barcos e lojista.
Em 1834, Lincoln foi eleito para o Legislativo do estado de Illinois, onde ficou até 1843. tornou-se advogado em 1837 e foi eleito para a Câmara Representativa dos Estados Unidos em 1846, onde cumpriu um mandato antes de voltar para Springfield, Illinois, para exercer a advocacia. Abolicionista convicto, e crítico declarado da escravatura, Lincoln participou de vários debates com o orador e senador americano Stephen Douglas (1813-1861) sobre se a escravatura deveria ou não ser legalizada nos novos territórios que se haviam tornado estados.
A oratória brilhante de Lincoln nos Debates Lincoln-Douglas o fizeram famoso nacionalmente, e o recém-formado Partido Republicano o escolheu para concorrer contra Douglas nas eleições para o Senado americano em 1858. Embora tenha perdido, em 1860 os republicanos o escolheram como candidato à presidente. E Lincoln foi eleito.
Em 4 de fevereiro de 1861, pouco depois de ele assumir o cargo, os onze estados sulistas – Alabama, Arkansas, Flórida, Geórgia, Louisiana, Carolina do Norte, Mississípi, Carolina do Sul, Texas, Tennessee e Virgínia – se separaram da União e formaram os Estados Confederados da América. Lincoln, então, decidiu ir à guerra para tentar restaurar a União. Era o início da Guerra Civil Americana (1861-1865), ou Guerra de Secessão, um conflito que colocava em choque pontos de vista muito diferentes. Enquanto o Norte queria que os Estados Unidos continuassem a ser uma única nação, o Sul pretendia que se formassem duas nações independentes. Apesar da superioridade militar e industrial da União, a primeira grande batalha, que ocorreu no dia 21 de julho de 1861, teve uma esmagadora vitória da Confederação. Por dois anos consecutivos, as forças da União tentaram partir para a ofensiva, mas os confederados sempre as derrotavam.
A história começou a mudar em julho de 1863, quando ocorreram os dois confrontos mais sangrentos do conflito. As forças do Sul, ao tentar invadir o Norte, foram detidas em Gettysburg, Pensilvânia. E as forças da União capturaram a fortaleza dos confederados em Vicksburg, Mississípi. Foi durante uma cerimônia em Gettysburg que Lincoln proferiu um famoso discurso em que prometeu que "nesta nação, sob a graça de Deus, terá um renascimento da liberdade; e o governo do povo, pelo povo e para o povo não perecerá sobre a Terra". O sonho de Abraham Lincoln de um país unificado foi enfim assegurado. Mas, infelizmente, o próprio Lincoln não sobreviveu para usufruir a paz tão duramente conquistada. Em 14 de abril de 1865, enquanto assistia a uma apresentação no Teatro Ford, em Washington, ele foi assassinado por John Wilkes Booth (1838-1865), um ator desempregado escravagista e simpatizante da causa dos confederados.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:12

Pág. 32/32



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D