Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Dinastia de Borgonha

por John Soares, em 21.04.19

 
Dinastia de Borgonha
 
 
A Dinastia de Borgonha foi a primeira do Reino de Portugal, havendo outras do mesmo nome na Europa mas sem origem comum.
No caso de Portugal, esta dinastia também conhecida como a Dinastia Afonsina provém da Casa Ducal da Borgonha por via de D. Henrique de Borgonha, primeiro Conde de Portugal.
Seu filho, D. Afonso Henriques, conhecido como O Conquistador, foi o primeiro Rei de Portugal.
A Dinastia teve seu início em 1096 quando Portugal era ainda um condado e terminou em 1383, com nove governantes sucedidos em linha familiar desta dinastia.
 

O Primeiro, O Conquistador (1139-1185)

 

D. Afonso Henriques é reconhecido como o fundador da Dinastia.  Logo da morte do seu pai, D. Henrique de Borgonha e depois de vencer aos aliados de sua mãe D. Teresa na Batalha de São Mamede em 1128, proclamou-se Príncipe do Condado de Portugal, focando seus esforços no reconhecimento do Reino de Portugal na Europa.
Em 1138, depois de obter a vitória contra as tropas muçulmanas na Batalha de Ourique se declarou Rei de Portugal, conseguindo a independência portuguesa em 1179 e ganhando de maneira legítima o título de Rei.
 

D. Sancho I, O Povoador (1181-1211)

 

D. Sancho I sucedeu a seu pai D. Afonso I e continuou com seu legado de reconquistar a península sob os domínios muçulmanos.
Durante seu governo fomentou e consolidou o povoamento do território português, ainda nas zonas mais remotas, particularmente com imigrantes vindos de Flandres e de Borgonha.  Junto com o anterior, seus esforços foram focados na organização político-administrativa do reino.
 

D. Afonso II, O Gordo (1211-33)12

 

A diferença de seus antecessores no governo, D. Afonso II não procurou a expansão do seu reino, nem resguardou suas fronteiras com outros reinos.
Dedicou seu mandato à consolidação a economia de Portugal, formulando o primeiro conjunto de leis portuguesas sobre direitos civis, propriedade privada e moeda.
Também estabeleceu diversos tratados comerciais com outros países europeus.
 

D. Sancho II, O Capelo (1233-1248)

 

Também conhecido como o Pio e o Piedoso, foi o sucessor no trono do seu pai D. Afonso II.  Seu reinado durou pouco e foi muito tumultuoso, dada a tenra idade de treze anos com a que foi coronado.  Recebeu o Reino em um estado econômico lamentável e foi incapaz de resolver estes problemas.
Por sua escassa habilidade política e incapacidade de governar foi deposto pelo Papa a favor de seu irmão D. Afonso III.
 

D. Afonso III, O Bolonhês (1248-1279)

 

Conseguiu reunir o reino dividido, expulsou definitivamente aos mouros das terras portuguesas e dotou o país de fortificações para sua defesa.  Mudou a capital do reino de Coimbra para Lisboa.  É recordado como um excelente administrador.
 

D. Dinis, O Lavrador, O Poeta (1279-1325)

 

Executou uma política centralizadora. Considera-se um dos responsáveis pela criação da identidade nacional, instituindo a língua portuguesa como idioma oficial do reino. Com uma educação focada no seu futuro como Rei, D. Dinis foi um soberano exemplar.
Fomentou a agricultura e distribuiu terras para os colonos.  Muito culto e educado, impulsionou as letras e as artes, ordenando a construção da primeira universidade portuguesa em Coimbra em 1290.
 

D. Afonso IV, O Bravo (1325-1357)

 

É lembrado como um militar corajoso que deu um grande impulso ao desenvolvimento da marinha portuguesa, financiando as primeiras viagens de exploração ultramarina.
 

D. Pedro I, O Cruel, O Justiceiro (1357-1367)

 

Durante seu curto reinado é recordado pela reforma na administração da justiça e pela grande importância que lhe concedeu à Igreja reconhecendo seu valor através do beneplácito régio, aprovação real das bulas papais que foi mantida até o século XX.
 

D. Fernando, O Formoso (1367-1383)

 

Continuou com o desenvolvimento da marinha e, depois de conseguir a paz com Castela, dedicou-se à administração do reino.
Logo de sua morte, a linha de sucessão da Dinastia se considera quebrada ao não houver herdeiros legítimos, se bem é sucedido por seu meio irmão D. João I, fundador da Dinastia de Avis.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:27


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D